sigam-me no Twitter: @Luciana_Gomes_

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

POSTAREI EM BREVE MEUS OUTROS TRABALHOS...

Estamos no paraíso...

Portanto nada de tragédias, de catástrofes, desastres naturais (ou provocados, o que dá no mesmo) ....
Quem por aqui passar é para espairecer, sair da rotina chata do dia-a-dia, refletindo e analisando sobre assuntos, ora fúteis, ora de grande ajuda...e sem esquecer, claro, espero trocar experiências... Mulher inteligente sabe, que, é melhor aprender com os erros dos outros. Grata!

Saiba como modernizar a cor do cabelo para o inverno

A saída do verão pede mudanças no guarda-roupa e no visual. Os cabelos tendem a escurecer, mas o mais importante agora é aquela tendência já bastante disseminada no verão – a de preservar a naturalidade da beleza  e, consequentemente, a cor natural dos fios.
Por isso, os cabeleireiros recomendam fugir das cores que são muito diferentes do tom natural da sua pele e sugerem luzes de no máximo duas tonalidades de diferença dos seus cabelos





De acordo com John Miyata, cabeleireiro especialista em coloração da marca Redken, do grupo L´Oréal, o ideal é buscar iluminar a cor-base dos cabelos com luzes bem fininhas e nada marcadas. Segundo o especialista, as luzes californianas – aquelas que deixam as pontas dos cabelos bem mais claras do que a raiz, como as 
madeixas da ex-BBB Tessália – estão fora de moda.

- Todos os fortes contrastes devem ser evitados e as luzes devem ser feitas desde a raiz, porém, mais espalhadas, para não ficarem marcadas como linhas no topo da cabeça. Os cabelos monocromáticos, ou seja, aqueles que têm todos os fios de uma cor só, também não são legais porque podem envelhecer o rosto. O interessante é iluminar os fios com luzes bem fininhas.

Apesar de as estações frias serem ideais para os tons avermelhados e acobreados, muita atenção neles. Segundo Miyata, a pigmentação vermelha é a mais forte de todas e é muito difícil tirá-la do cabelo, além de exigir uma manutenção frequente para que não desbote.

fonte: r7.com

Aprenda a fazer tiaras e presilhas customizadas

Chico Buarque: Histórias de Canções

Chico Buarque: Histórias de Canções 

Wagner Homem é o editor responsável pelo site do Chico Buarque. Além disso, é amigo do Chico há anos. Desde então, coleciona as histórias das canções de um dos maiores compositores da MPB. Neste livro, o jornalista nos conta com detalhes esses causos que os admiradores do cantor querem tanto saber, e assim formando uma biografia do Chico - algo diferente do que existe nas prateleiras das livrarias. Sua proximidade com Chico nos presenteia com informações curiosas e interessantes, como essa, sobre a música "Com açúcar e com afeto": "É a primeira canção em que Chico assume a posição feminina, revelando a capacidade que se tornaria uma das suas marcas registradas. Foi composta por encomenda de Nara Leão, que gostava muito de cantar músicas ?onde a mulher fica em casa chorosa, e o marido na rua, farreando?." 

Aparecer de novo.

A natureza nos fornece, de forma constante, excelentes lições. As estações que se sucedem nos falam da obediência a leis previamente estabelecidas pela divindade.
A fauna e a flora que se submetem ao rigor do inverno, que hibernam, parecendo morrer e ressurgem aos toques da primavera, nos lecionam a perseverança na luta pela vida.
Entre as aves, a águia nos traz especial lição. Ela é a ave que possui maior longevidade da espécie. Chega a viver setenta anos. Mas, para chegar a essa idade, aos quarenta anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.
Aos quarenta anos ela está com as unhas compridas e flexíveis e não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta.
O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas. Voar é, então, muito difícil.
A águia, nessas circunstâncias, só tem duas alternativas: morrer, ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar cento e cinqüenta dias.
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão, onde ela não necessite voar. Após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.
Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.
E só depois de cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver mais trinta anos.
Em nossa vida, também necessitamos de processos de renovação que, de um modo geral, são dolorosos.
Para se conseguiu alçar o vôo da vitória, devemos nos desprender de costumes, crenças, tradições, vícios que nos mantêm presos ao chão da ignorância.
É, sim, um processo doloroso, porque demanda esforço e vontade. Também um processo de incubação.
É preciso se sentir insatisfeito consigo mesmo e desejar crescer um pouco mais. Sentir-se incompleto com um livro só, com um pensamento apenas ou com uma visão somente.
É necessário pensar além das idéias comuns e acreditar que se pode mudar, não importando se nos encontramos nos áureos dias da juventude, nos vibrantes dias da madureza ou na esteira da velhice.
Sempre é tempo de atender aos apelos do progresso, aprender e melhorar-se.
É necessário refletir, trabalhar, estar sempre pronto para aprender e reaprender, não se permitindo jamais o comodismo. 
*** 
Enquanto você dispõe do corpo físico e das horas terrenas, não se acomode. Não negligencie a si mesmo.
Cultive a sua inteligência, jamais perdendo de vista a boa leitura.
Não se sinta sábio porque sabe mais do que os que o rodeiam. Busque a sabedoria.
Não se permita sentir bem, sem esforçar-se por se desenvolver nas áreas do bem e do serviço ao próximo.
Não se permita dormir demais, enquanto é tempo de crescer, progredir e alcançar os astros brilhantes que nos extasiam nas noites claras.